Vidroplano
Vidroplano

Em busca do projeto perfeito

20/09/2017 - 12h22

Nesta seção, são apresentadas, mês a mês, informações e dicas para ajudar os vidraceiros na instalação correta do nosso material. Mas, muitas vezes, o problema já começa bem antes. Quando falhas são cometidas na elaboração dos projetos e no envio dos pedidos para as processadoras, todo o trabalho acaba comprometido, impedindo que o consumidor possa fazer uso da instalação até que tudo seja resolvido e comprometendo a credibilidade dos profissionais envolvidos nela.

Conheça aqui os erros mais frequentes nessa tarefa, o que fazer para evitá-los e as consequências que trazem para as construções.

As raízes do problema
Segundo Gabriel Batista, diretor do Grupo Setor Vidreiro, há quatro causas frequentes para os problemas nos projetos e pedidos:

1. Desconhecimento: sobre folgas, transpasses, ferragens e as próprias limitações tanto de produção do beneficiador como do material;
2. Pressa: a correria do dia a dia pode levar à falta de atenção na hora de fazer os pedidos;
3. Esquecimento: na hora de planejar o vidro, alguma informação pode ser ignorada, como uma medida ou um detalhe do recorte da peça;
4. Medição malfeita: quando o vidraceiro não tem os dados e dimensões corretos, o projeto enviado à processadora terá falhas.

A capacitação de pessoal e a diferenciação de serviços são formas de acabar com esses enganos. “É comum vermos reclamações do mercado, mas, ao mesmo tempo, as empresas não se preocupam em oferecer produtos e serviços de valor agregado para diferenciar sua marca”, considera Lucas Bremm, diretor-comercial da processadora Mary Art. Ministrador da palestra Como evitar erros e devolução de pedidos em eventos vidreiros pelo Brasil, Lucas acredita que esse cenário pode começar a mudar quando os profissionais do setor se conscientizarem da necessidade de uma postura mais qualificada.

É importante, porém, que os beneficiadores também aprendam a identificar erros para, assim, melhorar sua comunicação e relação com os vidraceiros.

Quais são os erros mais comuns?
Clareza e dados precisos são fundamentais na hora de encaminhar um pedido para o fornecedor. Alguns problemas são recorrentes — e o impacto deles sobre o produto a ser recebido, também:

 

vidraçaria-incompletoErro: falta de informações
“Muitos pedidos vêm sem informações sobre o código das ferragens, especificação de cor e espessura, ou sem indicar as cotas que serão usadas nas furações e recortes dos projetos”, aponta Graziele Silva, gerente-comercial da beneficiadora Clarity Glass. A imagem ao lado é um exemplo de pedido sem todos os dados necessários. No caso, a única especificação é a do vão onde a instalação será feita.
Consequência: Cláudio Lúcio da Silva, instrutor-técnico da Abravidro, explica que esse problema causa demoras nos processos administrativos da processadora. “Com isso, o prazo médio de entregas é alongado desnecessariamente, comprometendo a satisfação do cliente do vidraceiro, que vê sua obra parada”, observa.
Dica para evitá-lo: verifique se todas as informações necessárias para o pedido foram colocadas nele. “Essa conferência pode ser feita usando uma planilha, marcando cada item checado para evitar que algo passe despercebido”, aconselha Lucas Justo, responsável pelo setor de Projetos da Vidroforte.

 

vidraçaria-mediçãoErro: dados incorretos nas dimensões do vidro, listagem de ferragens desnecessárias ou códigos inadequados
“A falta de adequação dos limites para produção do material é comum, constantemente resultando em desperdício e retrabalho”, observa Rebeca Andrade, especialista de Especificação Técnica da beneficiadora PKO do Brasil.
Consequência: será necessário pedir (e pagar) uma nova peça para substituir a primeira. “Muitas vezes, o consumidor também acaba cancelando a compra com o vidraceiro por conta desses problemas”, avisa Leandro Gonçalves, gerente técnico da Divinal Vidros.
Dica para evitá-lo: antes mesmo de começar o pedido, dedique toda a atenção necessária às medições na obra (como na foto ao lado). Vinicius Silveira, sócio-diretor da Primo Vidros, sugere o uso de uma checklist para não deixar passar nenhum detalhe.

 

vidraçaria-clarezaErro: as informações estão todas lá, mas o pedido é incompreensível
Para Lucas Bremm, da Mary Art, isso pode acontecer de várias formas, como desenhos mal-elaborados, muitas imagens e informações “espremidas” em uma única folha, falta de padronização nas medidas (como uma dimensão indicada em metros e outra em milímetros), entre outras.
Consequência: isso pode confundir o processador e levá-lo ao erro no vidro a ser fornecido. Para que ele seja corrigido, todas as partes envolvidas — processador, vidraceiro e cliente final — sofrem com retrabalhos e atrasos.
Dica para evitá-lo: garanta que o pedido esteja legível e que seja possível identificar claramente qual a unidade de medida usada e a que partes do projeto cada dimensão se refere — um formulário com dados de fácil compreensão, como o ao lado, pode ajudar. Gabriel Batista, do Grupo Setor Vidreiro, acrescenta: “O ideal é colocar as cotas por fora da imagem, deixando dentro dela somente dados para recortes e furos”.

 

Erro: o vidro especificado pelo pedido está fora da norma técnica para sua aplicação
Consequência: “Essa falha representa não só prejuízos financeiros, mas riscos à segurança dos usuários”, considera Eliane Makimoto, consultora técnico-comercial da Brazilglass. Em caso de acidente, as consequências incluem multas, inadimplência da empresa e até processos judiciais.
Dica para evitá-lo: além de seguir as normas à risca, o trabalho conjunto com arquitetos e engenheiros é importante. O vidraceiro precisa identificar outros profissionais da cadeia como parceiros, para poder elaborar e executar seus envidraçamentos com segurança.

Quando o erro vem do outro lado
Processador, atenção: os vidraceiros não são os únicos responsáveis por problemas na determinação dos vidros! “É muito comum que as próprias equipes técnicas e comerciais de algumas beneficiadoras não conheçam o produto e nem os procedimentos e normas — e isso sempre leva a erros”, alerta Gabriel Batista. Um desses casos é o fornecimento de vidros temperados para instalação em coberturas ou guarda-corpos, quando a norma NBR 7199 — Vidros na construção civil – Projeto, execução e aplicações determina que apenas laminados ou aramados podem ser usados nessas aplicações.

Segundo observa Cláudio Lúcio da Silva, da Abravidro, as equipes de vendas dessas empresas frequentemente se ocupam apenas com a retirada dos pedidos dos clientes, sem fazer a análise crítica. Para Lucas Bremm, da Mary Art, os processadores devem contar com setores para a conferência dos pedidos. “Hoje, isso é um diferencial no atendimento. O foco dessas empresas muitas vezes está em oferecer um preço mais baixo, quando deveria estar em ser uma parceira efetiva dos seus clientes.”

vidraçaria-ppcpeLocalizando problemas e estreitando diálogos
Uma forma de atingir esse objetivo é investir na qualificação do setor de Planejamento e Controle da Produção (PCP), que, com frequência, substitui os profissionais de vendas no relacionamento direto com os vidraceiros. Nesse sentido, desde o ano passado, a Abravidro oferece o treinamento de PPCPE, desenvolvido especialmente para as processadoras vidreiras. Cláudio Lúcio, responsável pelas aulas desse módulo, explica: “O setor de PCP acaba sendo responsável por funções como o entendimento com os vidraceiros na padronização dos pedidos. Com a qualificação, é possível melhorar a comunicação, identificar e corrigir erros, minimizando perdas e aumentando o fluxo de valor.”

A próxima turma do curso de PPCPE será realizada na sede da Abravidro, em São Paulo, nos dias 19 e 20 de outubro. Para se inscrever, entre em contato com Rosana Silva, gerente de Atendimento da associação, pelo telefone (11) 3873-9908 ou e-mail rsilva@abravidro.org.br.

Fale com eles!
Abravidro — www.abravidro.org.br
Brazilglass — www.brazilglass.com.br
Clarity Glass — www.clarityglass.com.br
Divinal Vidros — www.divinalvidros.com.br
Grupo Setor Vidreiro — www.setorvidreiro.com.br
Mary Art — www.maryart.com.br
PKO do Brasil — site.pkodobrasil.com.br
Primo Vidros — www.primovidros.net.br
Vidroforte — www.vidroforte.com.br

Este texto foi originalmente publicado na edição 537 (setembro de 2017) da revista O Vidroplano. Leia a versão digital da revista.




Voltar

Itens relacionados ................................................................................................

Nenhum item relacionado ao post.



Newsletter

Cadastre-se aqui para receber nossas newsletters