Vidroplano
Vidroplano

Para desempenhos dignos de aplausos

19/04/2017 - 20h21

Vidros e esquadrias são parceiros inseparáveis na área da construção civil: as mudanças sofridas por um acabam influenciando o outro.  Uma dessas situações teve início em fevereiro deste ano, com a revisão da norma NBR 10821 — Esquadrias para edificações (na coluna “Falando em normas”  há mais detalhes sobre esse processo). O texto traz novos itens importantes para a avaliação de desempenho das esquadrias, além de requisitos para sua instalação e manutenção.

Os vidros aplicados nas esquadrias têm um papel fundamental no conforto acústico e térmico do ambiente. Dessa forma, os profissionais do setor também precisam estar atentos às determinações da norma.

A equipe de O Vidroplano consultou vários especialistas e profissionais do setor para saber quais as mudanças trazidas pela revisão da NBR 10821, como elas afetam o segmento vidreiro e que produtos no mercado já oferecem desempenhos acústico e térmico altos. Confira!

De olho no desempenho!
A principal novidade da NBR 10821 é a inclusão de duas partes:
Parte 4: Esquadrias externas — Requisitos adicionais de desempenho
- Parte 5: Esquadrias externas — Instalação e manutenção

“Os setores de esquadrias e vidros vêm discutindo os assuntos das normas técnicas desde pelo menos 2011, na CEE-191”, explica a engenheira Fabíola Rago Beltrame, diretora do Instituto Beltrame da Qualidade, Pesquisa e Certificação (Ibelq) e coordenadora da comissão de estudos que revisou o documento. “Com a Parte 4, podemos avaliar o desempenho acústico e térmico das esquadrias com base em procedimentos padrões e informar esses comportamentos ao consumidor por meio das etiquetas. Assim, ele vai poder valorizar um bom produto.”

Esses desempenhos informados nas etiquetas permitem que construtoras, lojistas e usuários finais conheçam o nível de conforto que cada produto oferece. Mas, atenção: Edson Fernandes, diretor-geral do Instituto Tecnológico da Construção Civil (Itec), informa que essa classificação só é dada após a esquadria passar por ensaios feitos por órgãos acreditados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Opções no mercado
“Ainda levará algum tempo até que todas as fabricantes de esquadrias disponibilizem as etiquetas de desempenho em seus produtos”, observa Fabiola, do Ibelq. Apesar disso, várias delas já contam com produtos voltados especialmente para impedir a entrada de ruídos no ambiente e a troca térmica com seu exterior. Conheça algumas delas:

vp_atenuasom2Silêncio em primeiro lugar
Produto: linha Europeia para portas e janelas
Fabricante: Atenua Som
Diferenciais: alto desempenho acústico, com redução sonora de 40 dB
Indicada para vidros: insulados (com composições de laminados de 6 e 8 mm)


vp_brazilglassPersonalizadas para o cliente

Produto: esquadrias termoacústicas
Fabricante: Brazilglass
Diferenciais: tanto as esquadrias como os vidros são desenvolvidos de acordo com as necessidades do projeto do cliente
Indicada para vidros: de controle solar, processados pela própria empresa, em diferentes composições (na foto, insulados de laminado de controle solar com persiana interna)

 

Desempenho acústico: atenção redobrada
Segundo Fabíola, a Parte 4 da NBR 10821 estabelece que o uso da etiqueta acústica nas esquadrias é obrigatório a partir deste ano, embora não haja uma data definida. Atualmente, diz ela, os fabricantes estão realizando seus ensaios de desempenho acústico de acordo com a norma publicada, para, em breve, começar a colocar a etiqueta em seus produtos.

A classificação é a seguinte:
Categoria A: redução sonora maior ou igual a 30 dB
Categoria B: redução sonora maior ou igual a 24 dB e menor que 30 dB
Categoria C: redução sonora maior ou igual a 18 dB e menor que 24 dB
Categoria D: redução sonora menor que 18 dB

Nicole Fischer, gerente de Marketing da Atenua Som, lembra que a esquadria costuma ser a parte mais vulnerável para o isolamento acústico do ambiente: “Se ela tiver frestas, problemas de vedação ou perfis de baixa qualidade, pode contribuir para a passagem de som vindo da área externa”.

Atenção vidraceiro!
Nosso material pode trazer excelentes ganhos para o desempenho acústico de uma esquadria. Nicole aponta que a Atenua Som costuma usar insulados de diferentes espessuras nessas aplicações, variando peças únicas com laminados. “Além de proporcionar o desempenho que esperamos, eles trazem uma percepção de valor maior do cliente, pois ele enxerga que a esquadria é diferente das outras no mercado.”

 

vp_cebraceDo setor vidreiro para o setor vidreiro
Produto: janelas Habitat
Fabricante: Cebrace
Diferenciais: são vendidas e montadas pelos próprios franqueados da Rede Habitat. Contam com classificação A em desempenho acústico e tem desempenho térmico. Não tem roldanas ou furação nos vidros. Está disponível com diferentes opções de cores do vidro e da esquadria. Indicada para vidros: de controle solar da linha Habitat

 

Conforto térmico: diferencial de peso
Embora a etiqueta para desempenho térmico seja opcional para esquadrias, seu uso é uma boa forma de demonstrar ao mercado o diferencial do seu produto.

A etiqueta térmica apresenta três classificações distintas (veja o mapa da página 36), uma para cada zona bioclimática predominate no Brasil. “O efeito do clima sobre a esquadria é mais evidente em termos de radiação solar, por isso o zoneamento climático adotado na etiqueta segue grandes áreas de intensidade de radiação no País, conforme a latitude da região”, explica o professor Fernando Westphal, supervisor do Laboratório de Conforto Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina (LabCon/UFSC).

Anote esta dica!
“O vidro é a peça fundamental no conforto térmico trazido pela esquadria nos climas brasileiros”, ressalta Westphal. Isso acontece porque ganhos por radiação solar são muito mais intensos do que as trocas de calor pelo perfil. Assim, ele lembra que os vidraceiros precisam estar atentos às diferentes opções do nosso material, como as peças de controle solar. Embora o desempenho das esquadrias varie, dependendo da zona bioclimática em que elas serão instaladas, Westphal aconselha o uso de vidros com baixo fator solar, podendo ser utilizados em insulados. “Eles são eficientes tanto para problemas de desconforto por calor como por frio.”

vp_ramassol
Vedação sem desafio

Produto: janelas Máximo Ar (linha Qualitysol)
Fabricante: Grupo Ramassol
Diferenciais: seu fechamento, de forma deslizante, contribui para o desempenho acústico do produto, que também apresenta maior facilidade na aplicação das vedações
Indicada para vidros: com espessura a partir de 4 mm

 

Tornando ainda melhor o que já era bom
“O vidraceiro tem se tornado cada vez mais técnico e especializado, ajudando na identificação da melhor solução conjunta entre esquadria e vidro”, avalia Pedro Matta, gerente de Marketing da Cebrace. Portanto, cabe a esses profissionais orientar os consumidores a escolher um produto que ofereça mais conforto e qualidade — e isso não só para as esquadrias, mas também para o nosso material.

Opções não faltam e novidades surgem a todo instante. A Vivix, por exemplo, já está investindo em uma linha de coater para o lançamento de vidros de controle solar no segundo semestre deste ano, conforme informado por Henrique Lisboa, seu diretor- comercial e de Marketing. Por sua vez, a AGC tem uma série de opções de vidros refletivos para conforto térmico, como o Sunergy e Stopsol, e disponibiliza a ferramenta online Your Glass (www.yourglass.com) para verificar o controle acústico nas obras. A Guardian lançou a linha Guardian Residence, de vidros de controle solar para aplicação residencial.

Informar ao setor de esquadrias sobre as vantagens de aliar seus produtos a vidros de valor agregado ajuda a valorizar o trabalho da vidraçaria e da cadeia vidreira como um todo. “Costumo comparar o vidro a outros produtos que o consumidor final coloca em uma residência”, comenta Westphal. “Se ele não deixa de pagar mais por um chuveiro de melhor qualidade, por exemplo, por que não pode gastar R$ 100 ou R$ 150 a mais por m2 de vidro, para ter um produto que reduz em 60% o ganho de calor pela janela?”. Fernandes, do Itec, concorda: “A partir do momento em que o consumidor entende as vantagens de um produto com alto desempenho, passa a valorizá-lo e todos ganham.”

vp_kawneerSem lugar para frestas
Produto: sistemas Contact para janelas de correr
Fabricante: Kawneer
Diferenciais: contam com mecanismo que elimina as frestas entre marcos e folhas, promovendo alto isolamento acústico, e também estão disponíveis nos modelos elevável e oscilobatente
Indicadas para vidros: insulados

vp_sasazaki
Certificação máxima

Produto: Sistema de Proteção Acústica Sound Block
Fabricante: Sasazaki
Diferenciais: conta com vidros especiais e projeto diferenciado de perfis e vedação, com classificação A em desempenho acústico e redução sonora superior a 30 dB
Indicada para vidros: laminados 4+4 mm, com PVB

 

Por dentro da matéria-prima
Há materiais que conduzem mais o calor e o som, e outros que conduzem menos. “Esquadrias de PVC contam com desempenho termoacústico superior ao das de alumínio, por exemplo”, afirma Michael Lochner, gerente de Marketing da Weiku do Brasil. Por sua vez, Jorge Ichikawa Júnior, gerente nacional de Construção Civil da Sasazaki, observa: “Os metais em geral facilitam a condução térmica e acústica, mas algumas tecnologias colaboram para o bom desempenho desses materiais nesse quesito”.

Vale observar que a NBR 10821 não determina ou diferencia os tipos de material para esquadrias, mas sim o desempenho do produto final.

Saindo na frente
Embora o mercado ainda esteja se preparando para as etiquetas acústicas, já é possível encontrá-las em algumas esquadrias. É o caso das janelas Habitat, da Cebrace, e do Sistema de Proteção Acústica Sound Block, da Sasazaki: “As informações quanto ao desempenho acústico e térmico serão aplicadas gradativamente em todos os nossos produtos”, explica Ichikawa Júnior. Outras fabricantes estão com a aplicação em andamento, como a Atenua Som.

Vale lembrar que a NBR 15575 — Edificações habitacionais — Desempenho, cuja última revisão foi publicada em 2013, destacou a importância do conforto acústico e térmico das obras. “Antes de fazer os ensaios da edificação completa, a construtora precisa ter certeza da qualidade de seus componentes, e as etiquetas para as esquadrias tornam-se um diferencial na hora da compra, para ambas as partes”, comenta o engenheiro civil Paulo Souza, coordenador do Laboratório de Componentes da Construção Civil do Instituto Falcão Bauer.


vp_tecnofeal1Espessura não é um problema!
Produto: linhas Feal55
Fabricante: Tecnofeal
Diferenciais: podem trabalhar com sistema elevatório de abertura e fechamento da esquadria (bloqueando todas as frestas no fechamento) e ser usadas com vidros de diferentes composições, com espessura total de até 48 mm
Indicadas para vidros: laminados, insulados ou de controle solar, na composição que melhor atenda as necessidades do cliente

vp_weikuOpções de abertura
Produto: linha oscilobatente
Fabricante: Weiku do Brasil
Diferenciais: conta com dois tipos de abertura (pivotante e por tombamento) e sistema de travamento multipontos, o que permite controlar a entrada de ruídos e calor no ambiente e confere maior segurança
Indicada para vidros: insulados compostos por laminados

 

Fale com eles!
AGC
Atenua Som
Brazilglass
Cebrace
Grupo Ramassol 
Guardian
Ibelq
Instituto Falcão Bauer
Itec
Kawneer
LabCon/UFSC
Sasazaki
Tecnofeal
Vivix
Weiku do Brasil



Newsletter

Cadastre-se aqui para receber nossas newsletters